Um recado através do tempo

Quando o autismo chegou assim, sem se apresentar antes em nenhum momento, assim de repente sem mandar uma mensagem dizendo que ele existia, eu tomei um susto. Na minha total ignorância eu me perguntava: aquele bebê lindo (não é coisa de mãe, minha filha é linda de verdade) poderia mesmo ter autismo?

Foram meses e meses de pura luta interna. Diziam que ela não era autista e eu acreditava nisso, meu coração me mostrava os sinais e eu voltava a duvidar.

Eu vivi assim nesta angústia da não certeza, nessa inexistência de um rótulo que me orientasse, esperando hora o pior, hora o melhor dos mundos: isso é fase, vai passar, vamos resolver, vamos superar.

Batendo em portas que não me respondiam nada, buscando uma ajuda que nunca vinha, percebi quão pouca informação eu teria. Até que encontrei na internet um grupo de pais reunidos, trocando informação sobre seus filhos e lá eu achei minha filha contada em outros relatos e as minhas dores descritas nas palavras de quem eu nem conhecia. Foi quando a tal “ficha” caiu.

Uma das coisas que me lembro por entre a ‘neblina’ daqueles primeiros dias foi que eu queria ver alguém com autismo, outra criança, um jovem, um adulto… eu queria muito ver como a minha filhar ia ser. Sim eu sei, ingênua. Mas eu não sabia, ninguém sabia direito sobre a síndrome há doze anos atrás, a informação era pouca e o que tinha disponível não batia com o que eu vivia em casa, então eu achava que vendo um autista eu teria visto todos e saberia como o futuro iria ser.

Aos 4 meses a suspeita de que algo estava errado vinha da falta do olho a olho no momento da amamentação.

Aos 4 meses a suspeita de que algo estava errado vinha da falta do olho a olho no momento da amamentação.

Hoje em dia quando minha manhã é inundada pela sonoridade de uma voz doce que me diz religiosamente: Bom dia mãe! Eu tenho uma vontade enorme de entrar na curva do tempo e encontrar a mulher de doze anos atrás.

Aquela segurando o bebê e perguntando a si mesma enquanto amamenta: “Por que ela não me olha?” E que vê seu coração se apertar diante da perspectiva de um futuro sombrio e doloroso… Ei, você! Eu grito através do tempo. Aquieta seu coração… Uma parceria linda está pra nascer entre você e essa garotinha e muitas alegrias estão por vir… e quanto as dificuldades, elas serão imensas mas transponíveis e as dores vão doer menos com o tempo. O preconceito vai te fazer forte que nem leoa e a solidariedade vai te fazer doce e serena e o mais importante, você vai experimentar o impacto do amor incondicional e viver a experiência mais incrível da sua vida!

Eu não sei se eu mesma me ouviria e nem sei se o medo iria me deixar de vez mas se preciso fosse eu seguiria dizendo o possível para que a neblina se dissipasse logo: Quem tem um filho tem um mundo nas mãos e por ele se torna capaz e se faz melhor. Arranca do coração a angústia, ergue tua cabeça e se prepara para uma incrível jornada de amor.

Post Anterior Próximo Post

Você também pode gostar

Sem comentários

  • Responder Tatá 5 de agosto de 2015 at 11:02

    Mamis, 12 anos de aprendizado né, quem diria o tanto que aquele bebezinho fofo tinha pra ensinar pra gente! Amo vocês demais, sintam-se masgadas viu?

    • Responder faustacristina 5 de agosto de 2015 at 18:50

      Beijo filha querida :]
      Obrigada pelo apoio de sempre. Te amo, amo e amo!!!

  • Responder Josemara 5 de agosto de 2015 at 11:39

    Me emocinei, lindo de mais, isso nos dar muita força para lutarmos cada vez mais por nossos filhos, eles tem mais potencial do que imaginamos, e para Deus nada é impossível…

    • Responder faustacristina 5 de agosto de 2015 at 18:51

      Obrigada Jôse!!! Fico feliz que te inspire.
      Recebe meu abraço carinhoso!

      Cris

  • Responder Roberta Silva 5 de agosto de 2015 at 12:28

    Cris minha querida. Foi difícil terminar de ler seu texto com tantas lágrimas nos olhos. Que mãe não se emocionaria? Mas te descobrir descobrindo sua tarefa de alma e te acompanhar realizando-a é profundamente emocionante. Esse recado da vida o qual vc se tornou brilhante porta voz deve ser gritado aos 4 ventos. Que Deus continue lhe tocando e fortalecendo nessa nobre missão. Os anjos dizem amém.

    • Responder faustacristina 5 de agosto de 2015 at 18:54

      Verdade Beta, parece mesmo ser algo que faço de toda alma e que na verdade não tem muito mérito e nem precisa ter mas que pode ser compartilhado para dar identidade e voz a quem se sente sozinho em jornadas parecidas.
      Obrigada irmã de coração, você sabe que seu comentário é um grande presente. Recebe me beijo cheio de saudade.
      Cris

  • Responder flavia 6 de agosto de 2015 at 17:45

    Lindo, lindo, lindo…. que Deus continue abençoando vcs!

  • Responder adrianacristina08@hotmail.co 10 de agosto de 2015 at 10:48

    Oi linda Fausta que lindo esse vídeo,são pequenas atitudes dos filhos que nos transformar não é.Que bela mensagem e sábias palavras amiga,tem pessoas que são como anjos de Deus,você é uma delas que irradia luz,que Deus ilumine sempre sua vida e de sua família.

    • Responder faustacristina 11 de agosto de 2015 at 08:58

      Obrigada querida!

      Realmente as alegrias que os nossos filhos trazem são imensas e únicas. Gosto muito que as pessoas também tenham este olhar, já que nossa essência é muito mais a de reclamar e focar no que pode ser criticado… vejo tantas mães que só reclamam e lamentam o trabalho que dão, as preocupações que trazem, os gastos e blá, blá, blá.
      Sabe, eu entendo e também tenho olhos para o lado mais difícil mas saber reconhecer dádivas, muda a nossa vida não é?
      Beijos, obrigada por comentar amiga.Beijos na sua maravilhosa família!

      Um abraço

  • Responder Angélica 28 de agosto de 2015 at 15:41

    Para uma mãe que está vivenciando nesse momento a fase da neblina por ter recebido há pouco mais de uma semana a “hipótese diagnóstica de TEA” do seu lindo menininho, é impossível ler seu texto sem chorar. Como eu preciso de relatos como o seu. Como eu preciso ter esperança que meu menininho vai ficar bem…

    • Responder faustacristina 29 de agosto de 2015 at 11:06

      Sim Angélica ele vai, independente do diagnóstico ele vai. Permita-se chorar, sentir o que for e depois respira fundo e ergue a cabeça, o seu filho vai ser o seu motivo, é por ele que você vai levantar e soprar, sim soprar com seu pulmão com seu esforço a neblina para longe. Por ele você vai conseguir e saiba que ele precisa que você fique bem para ele ficar.
      Ele precisa de você para regular as emoções dele, você é a referência e mesmo que não pareça ele consegue te ler, ele sabe. Então deixe transparecer sempre a sua confiança no potencial dele. Mesmo que as respostas que ele dê não esteja dentro dos padrões, aprenda a ler estas respostas diferente e se orgulhe delas, ele vai sentir que pode, ele vai sentir que é competente (apesar do mundo dizer que não) e ele vai além.
      Um amanhã melhor está logo ali, levanta os olhos e veja. Meu coração segue contigo!!!

      • Responder Angélica 10 de setembro de 2015 at 15:28

        Suas palavras, como sempre, são muito lindas. Muito obrigada. Por elas e por manter o blog. estou devorando os arquivos e tentando entender/aprender o máximo possível sobre o assunto. Ainda tenho tantas dúvidas…estou vivendo em altos e baixos.

  • Responder faustacristina 10 de setembro de 2015 at 21:33

    Obrigada Angelica por ler e comentar…que bom que faz sentido para você! Eu te entendo, ninguém pode dizer que é fácil, ninguém pode entender o que passamos, nós podemos porque vivenciamos tudo isso. Segue firme, dias melhores virão, não tenha dúvidas disso. Abraços!

  • Deixe seu comentário