A escola da Milena em Londres

english-school-londonAinda está cedo para escrever sobre como é exatamente o sistema educacional relacionado às crianças com autismo por aqui. As opiniões são muito divergentes, uma mãe que admiro muito me disse outro dia que acha que no Brasil a inclusão está muito melhor que aqui. Eu não pude evitar a resposta pronta de que não está e disse isso com base na experiência de ser voluntária e lidar com as famílias e as escolas em Minas e no Sul e também por ouvir e ler os relatos vindos de todo o país.

Quem me conhece bastante sabe que não gosto de comparações… esta coisa do melhor cantor, a mulher mais bonita, a melhor escola, a melhor cidade, o país melhor… Cada país, cada escola, cada beleza e cada talento tem valores muito diferentes que se combinam. Se um vai ser melhor em um aspecto, vai ser pior no outro e no fim esta balança ainda terá uma parte grande da preferência individual, o gosto de cada pessoa e a época que está em questão…

Por isso eu não vou comparar dizendo que aqui é melhor e aí é pior. A cultura daqui aceita mais as diferenças e isso é fato, está na história senão do país, da cidade pelo menos. Londres começou com diferentes povos convivendo e até hoje aqui o diferente é comum. Tem preconceito, tem discriminação como em qualquer outro lugar em que tenha gente, mas tem também mais espaço para o cara de cabelo verde e a senhora de noventa anos andando de patins, sem que ninguém sequer pare para reparar.

Ir trabalhar fantasiado ou de pijamas, usar anteninhas ou rabos... a gente vê por aqui e ninguém fica reparando a não ser que seja turista :]

Ir trabalhar fantasiado ou de pijamas, usar anteninhas ou rabos… a gente vê por aqui e ninguém fica reparando a não ser que seja turista :] Arquivo pessoal.

Por isso eu quero deixar claro que não estou fazendo um post colorindo de rosa o sistema educacional inglês, quero apenas compartilhar com vocês, como está sendo para nós, ok? Se te interessa saber, vai ser um prazer te contar :]

O nosso primeiríssimo passo foi escolher se a gente queria uma escola especial ou uma escola inclusiva, que aqui se chama mainstream, sendo que em algumas, eles tem uma unidade especial para crianças com autismo ou seja, uma sala ou mais só com autistas e que tem algumas atividades em comum com as crianças típicas. No papel, esta unidade tem como objetivo promover a inserção da criança no grupo comum, eles esperam e promovem a prontidão da criança e é deste critério (prontidão) que nascem dúvidas e surgem críticas mas isso é assunto para o futuro…

Para escolher entre escola especial ou típica eu pedi “ajuda aos universitários”. Consultei muitas amigas pedindo opinião, Marie, Andrea, dentre outras que já moraram fora do Brasil e já tiveram seus filhos em escolas com este perfil. Pedi a opinião dos profissionais que trabalharam com a Milena e depois perguntei para a pessoa mais interessada no assunto, a própria Milena: – filha em Londres você vai querer estudar em uma escola especial que tem outras crianças com autismo ou uma escola em que tem crianças típicas como era na escola do Brasil? – Quero igual do Brasil, ela respondeu. Só que não vai ser igual ao Brasil filha, as crianças falam inglês entendeu? Ela pensou um pouco (eu acho lindo demais) e me respondeu: quero escola de autista. Perguntei mais algumas vezes de outras formas para ter certeza e para que ela se lembrasse que fez parte da decisão.

Quando chegamos aqui o primeiro passo foi escolher a escola. Pesquisei e descobri uma escola que acabou de ser construída (prédio novo, mas a escola já tem anos de atendimento) com estrutura para atendimento do autista nas suas necessidades específicas. Uma escola voltada para a questão sensorial e para a aquisição de habilidades para a vida. Uma baita estrutura com um super time… ainda não sei sobre competência, ainda não sei sobre amorosidade… Mas quem quiser conhecer um pouco da estrutura, tem um link para um vídeo de apresentação da escola no fim do texto.

autistic_artist

Conhece a história deste moço que desenha uma cidade em detalhes tendo visto apenas uma vez? Ele estudou na Queensmill.

Daí fomos na escola, a diretora nos recebeu com a cordialidade que vemos sempre por aqui, para nossa surpresa no fim da visita ela disse que tinha uma vaga para a Milena e que para isso teríamos que escolher morar em um dos três bairros que a escola atende. Abrimos a mão e reprogramamos o orçamento para um aluguel mais caro em um lugar mais apertado e assim nos qualificamos para esta escola.

Demos andamento a um processo burocrático que eles chamam statement preenchendo formulários, enviando laudos e traduzindo alguns relatórios que trouxemos do Brasil e ainda estamos na primeira fase. Tivemos resposta que a vaga dela está garantida e que ela começa já no início do ano letivo que é em setembro. A diretora também nos adiantou que a Milena pode ser transferida a uma escola com unidade para autismo pois o objetivo deles é sempre orientado no sentido de incluir.

Milena está bem ansiosa, claro. Ela tem tido rompantes de irritação que eu controlo com muita paciência. São comportamentos desafiadores e impulsivos que magoam mais a ela do que a mim. Quando percebe que me deixou triste ela fica ainda mais impulsiva…

Eu compreendo que ela está nervosa com a rotina nova que não está bem estabelecida e com o medo do que vai encontrar. Mas no meio de tudo isso o bom é perceber que ela está feliz com a escola. Ela me diz quase com tranquilidade, lá tem “aqueles” meninos… e se eu pergunto ela completa: “tístas mãe, igual Milena…”

Bom eu sei que muita gente levanta alto a bandeira do respeito às diferenças mas acaba julgando e condenando quem pensa diferente… Eu respeito a todos e respeito também quem está me lendo e balançando a cabeça ao pensar que este modelo de escola não é o melhor para uma criança. Eu sei, te entendo e talvez eu mesma pensaria assim me lendo em um contexto diferente deste. Mas uma das coisas que o autismo me ensinou é justamente o quanto nós devemos evitar os extremos e o quanto é perigoso julgar aquilo que não somos nós que estamos vivendo…

Eu não gosto dos extremos, e é daí que vem a palavra extremismo, que muita gente confunde com radicalismo… radical é quem fica preso à raiz de uma ideia ou princípio e extremista é quem não relativiza, está sempre lá naquele único lugar. Mas como tudo na vida é relativo, eu que defendendo os princípios de inclusão (e vou defender sempre) sei também que é preciso pensar antes na felicidade da criança. Estar em uma escola típica é um baita desafio para alguém com autismo, mas com suporte e apoio, este desafio só faz crescer quem é autista e quem não é. Porém, estar em uma escola com crianças típicas falando um outra língua em um país estranho… talvez seja um pouco demais.

Por isso termino por aqui e “quando entrar setembro” e as aulas começarem eu vou contando a vocês o que vai acontecer. Uma certeza eu tenho: se até lá eu estiver viva, minha filha vai estar bem, porque eu tenho todas as antenas voltadas para escolher, preparar, ajudar, cobrar, exigir e lutar por ela sempre. Assim tem sido e assim continuará sendo, estejamos nós onde for. Por enquanto só temos visto coisa boa… Sorte? Bênção? Não sei… só sei que sempre tem sido assim, talvez sejam meus olhos que insistem em se fixar no positivo de tudo.

Este sorriso no rosto e a alegria de viver é sempre nosso maior ideal!

Este sorriso no rosto e a alegria de viver é sempre nosso maior ideal!

Conto com vocês como sempre, pois tenho certeza que estes bons desejos de vocês que nos acompanham são responsáveis por boa parte da nossa “sorte”.

Beijos mais que carinhosos e obrigada sempre. São nove anos de parceria no blog que me fazem muito feliz.

Site da escola com vídeo de apresentação: http://www.queensmillschool.com

Post Anterior Próximo Post

Você também pode gostar

Sem comentários

  • Responder Juliana 9 de julho de 2015 at 19:59

    Q lindo o seu olhar positivo! também procuro ser assim sempre!
    Me espelho em você para ser cada dia mais cuidadosa com as escolhas para o meu príncipe, eu escolhi a escola (que ele já vai para o segundo ano) por puro extinto materno mesmo, achei mais aconchegante, mais acolhedora…
    Uma pergunta ficou no ar: e se a Milena não se adaptar, tem como trocá-la de sala? eles são flexíveis?

    • Responder faustacristina 9 de julho de 2015 at 20:30

      Muito obrigada Juliana!!! Sim, eles são flexíveis e nos temos muitas instâncias para recorrer sabe? Sempre pelo bem da criança. Mas claro que não temos só vantagens… tem alguns poréms… outro dia assistindo a televisão descobri que eles expulsam a criança da escola… os pais que se virem para conseguir outra mas se a criança traz problemas para a escola e isso fica bem documentado, eles podem simplesmente expulsar, achei absurdo e nesse ponto a escola do Brasil está à frente, mas eu sei e presenciei, sou testemunha até (judicialmente) de uma escola que expulsou um aluno com autismo em Porto Alegre, o filho de uma amiga também em Araguari/MG e uma amiga de Uberlândia ou seja, no Brasil o papel diz que não pode mas existe a expulsão velada, aqui não é velado, eles podem expulsar mas isso conta ponto negativo em uma avaliação que eles prezam muito.
      Bom é isso, quase escrevo outro post né?! Beijo!!!

      • Responder Juliana 10 de julho de 2015 at 17:19

        Comigo aconteceu uma expulsão maquiada, a diretora da escola me chamou no final do ano no último dia de aula para conversar… disse que ia “tentar” arrumar uma turminha menor para colocá-lo e no meio da conversa até mencionou um nome de uma outra escola que fazia um trabalho muito bom com crianças especiais… eu achei o cúmulo da desumanidade, foi muito pior do que ganhar um tapa na cara sabe? meu chão se abriu… mas há males que vem para o bem, hoje ele está numa escola que o acolheu, na escola anterior eu chegava para buscá-lo e a professora perguntava: como é que eu faço? e eu pensava: como assim? quem é pedagoga é você! você tem que perguntar isso para a diretoria e não prá mim… é muita falta de preparo das escolas, é um desinteresse enorme em tentar melhorar, em tentar se adequar!

  • Responder Elisa 10 de julho de 2015 at 13:17

    Fico aqui na torcida pela adaptação da Milena!!! E para que consigas frequentemente sorrisos radiantes como este!!!

    • Responder faustacristina 10 de julho de 2015 at 15:22

      Oh sim!!! Obrigada Elisa. A gente sabe que vai ser um grande desafio, vamos precisar mesmo de toda e qualquer palavra de incentivo e a torcida de todos.
      Um grande abraço!

  • Responder Priscila de Medeiros 14 de julho de 2015 at 20:47

    Vai dar tudo certo, Fausta!Estaremos na torcida por vcs!!!Obrigada por tudo..bjs!

  • Responder Marina Kiyohara 17 de julho de 2015 at 13:00

    Nossa, quanta novidade, quantos desafios! Te admiro cada vez mais, principalmente por te ver sempre otimista! Procuro pensar também sempre no lado positivo! Tive muita sorte com a escola do meu filho. Todos o receberam super bem. O psiquiatra que o acompanha faz reunião periodicamente com a professora e a coordenadora pedagógica para tirar dúvidas, o que ajudou muito pois realmente eles não sabem lidar principalmente com as birras. Também foi fundamental o acompanhamento das ATs. Hoje ele tem AT 3x/semana na escola. E nos outros 2 dias as professoras seguem a mesma linha de conduta. Progrediu muito, principalmente nas birras e consegue acompanhar a turminha nas atividades! Estou torcendo por vcs sempre!! Mando sempre pensamentos positivos! Bjs

    • Responder faustacristina 17 de julho de 2015 at 20:21

      Ai Marina essa escola merece a musiquinha : “se todos fossem nomundo iguais a você”… três vezes na semana de AT é o máximo pois ajuda mas não cria a dependência e prepara a criança para as faltas imprevistas. Amei!!!
      Obrigada, muito obrigada mesmo, pelo comentário, o carinho, os pensamentos positivos! Só pelo bem que geram em mim tenho certeza que te retorna a melhor energia. Segue plantando querida, a colheita é super válida quando semeamos o bem.

      Beijos fraternos e carinhosos.

    Deixe seu comentário