10 anos

10 anos de vida

Foi tão intensa a experiência de ser mãe da Milena que parece que se passou muito mais tempo desde que recebi minha filha nos braços em 2002. Uma delícia de experiência diga-se de passagem, rever na memória a gravidez, o parto, o pós parto (de todos os meus três filhos) me enchem de alegria.

DSC00271

Os meses da suspeita de que algo estava errado, as controvérsias das opiniões médicas, os rótulos diversos… essa foi a parte ruim, uma dor desnecessária. Mas uma vez que o nome foi dado a força que chegou junto com o diagnóstico foi impressionante, parecia que eu era capaz de fazer o mundo rodar no sentido inverso, nascia ali a super mãe, se me permitem não ser modesta. Confesso que esta força está aqui comigo enquanto escrevo, misturada com um orgulho muito grande da criança linda que cresceu e me transformou – e transforma – a cada dia.

Eu achei em alguns momentos que era “balela” esta história de que as alegrias viriam com o Autismo, estava enganada. Além da enorme família a que me conectei, as crianças e adultos com Autismo que conheci e que fizeram ver o quanto a natureza humana pode ser pura sem a mescla da hipocrisia.

Não é só beleza, não é apenas alegria. Tem muita dor nesta estrada, assim como tem em qualquer caminho por onde a vida IMG2654nos leva. Entre o dissabor trazido por um filho, que enganado pelas ilusões da vida te traz preocupações de ordem moral, um filho que surdo a seus anseios se torna um mau caráter (infelizmente não são raros) e a experiência de ter um filho especial, não tem como argumentar sobre a relatividade do conceito: DOR.

Se ver um filho sofrer com o preconceito, com a exclusão, com a ditadura do padrão normal, não é fácil, é muito mais difícil perder um filho pra droga, para o crime, para a corrupção.

Vejo muita gente enfrentando barras pesadas nesta jornada, a eles dedico todo meu respeito. Noto porém que o sofrimento e a dor não são determinados pelo grau do Autismo – tenho sido testemunha disso – o que determina a dor na jornada do Autismo é fundamentalmente a capacidade de resiliência. Isso não depende só da vontade do pai, da mãe, do cuidador, a resiliência precisa de um conjunto de fatores para se tornar base. Quando ela está presente o Autismo não é personagem principal, o amor e a força de vontade se sobressaem para quem quer que olhe.

IMG_2657Muitas dificuldades que enfrentamos hoje eu pensei que a esta altura não existiriam mais, porém tem tanta qualidade na minha filha que eu jamais pensei que ela conseguiria revelar ao mundo e que bom, me enganei. Os progressos são incríveis e nunca param de acontecer.

Bom, eu poderia escrever até amanhã sobre a delícia que é não apenas de ser mãe de uma criança com autismo, (isso é muito individual), mas a delícia de ser mãe da Milena. Aliás a prova disso são os seis anos de blog 🙂 muitos e muitos textos deste amor que extrapola fronteiras. Eu quero mais que falar de Milena, quero dizer que sou grata a todos os personagens desta história, família, terapeutas, médicos, amigos.

Gratidão é a tônica maior destes anos e que bom que estamos tão felizes. Parabéns Milena, você é a grande heroína desta história. Espero que você possa um dia me ler. A vocês que me honram com sua leitura, muito obrigada!

DSC00277

Post anterior Próximo post

Você também vai gostar

Deixe seu comentário!

avatar
  Subscribe  
Me envie notificações de
iara sene
Visitante
iara sene

Olá, como.mãe de um garotinho de 2 anos e 7 meses que acabou de ser diagnosticado c autismo, está sendo ótimo ler suas experiências.
Qual seu email?