Medo

As reações da Milena perante o novo, passam para a grande maioria das pessoas, despercebidas, mas ela tem muita resistência a tudo o que é novidade e descreve o que sente dizendo que está com medo. Ela percebe detalhes para nós imperceptíveis e quando qualquer coisa muda ela reage, nem sempre a gente consegue entender, porque nem mesmo reparamos que algo está diferente. Na Milena esta reação é clara, porque eu estudo muito sobre autismo, convivo com outras crianças e pais e posso atribuir as mudanças no seu humor, na sua postura no seu comportamento ao que de fato, acionou o gatilho e quase sempre são as mudanças.

Se ela vive uma situação nova, por exemplo, chega a um lugar que ela nunca foi antes, ao invés de como toda criança, explorar, perguntar, mexer, Milena fecha a mãozinha, fica rígida, anda bem devagar, fica quieta, calada e, (um novo comportamento) pergunta, pergunta e pergunta. Em algumas situações, principalmente se estamos sozinhas ela me fala: -tô com medo.

Nós fizemos uma longa breve viagem, curta na permanência, longa na distância e ela teve muito medo dos banheiros. De sexta-feira à noite até domingo à noite ela fez quatro xixis. Tive que forçar para que ela tomasse banho, para que ela escovasse os dentes, teve que ser na marra, ela pedia para sair o tempo todo. Com as pessoas não é tanto assim, mas com aparelhos, máquinas, painéis, geralmente é um problema.

Ela suporta barulho, mas se for súbito, inesperado, ela se assusta e entra em pânico. Outro dia estouraram fogos no meio da manhã, quando ela estava entrando no carro. Pronto, não queria descer do carro em outro lugar e ficou com as mãos nos ouvido olhando para o céu e perguntando:-não vai mais fazer “tu”(barulho)?

Se compramos um carro novo, ou um brinquedo novo, um móvel novo ela vai reagir e sempre com um susto, uma tensão e me impressiona o quanto ela é afetada. Uma vez compramos uma cadeirinha para o carro, e colocamos ela sentada logo de cara. Ela ficou meia hora em choque e não quis sentar na bendita cadeira por muito, muito tempo. Foi assim com a “Tacha”, o fantoche de pelúcia que ela queria tanto e que hoje adora, a gente até fica triste pois compra achando que ela vai amar e ela fica apavorada.

Quando vejo uma pessoa com autismo, seja o grau que for, vejo as mesmas reações, mas de formas diferentes. Tem alguns que reagem com hiperatividade, correm de um lado para o outro, outros com estereotipias, se balançam, se batem, outros ainda, se desesperam gritando ou se isolam e na maioria das vezes, as pessoas que estão em volta parecem não entender. Toda pessoa com autismo precisava ter um tradutor de mundo, isso não iria curar a pessoa nem diminuir os sintomas, mas iria ajudar a diminuir a angústia que eles sentem.

Penso que deve ser mais ou menos assim: imagine que você está de pé em um brinquedo de parque de diversão e com os olhos vendados e caminhando, de repente o piso muda para inclinado, como você não estava vendo, no primeiro momento, você desequilibra, fica meio tonto até que percebe a inclinação e vai aos poucos se soltando, andando mais rápido até que, de novo o solo mude. Se tiver alguém te dizendo o piso vai mudar, ou cuidado que tem um degrau ou, o que aconteceu foi que o piso está tombado para a direita… isso vai fazer com que você entenda o que está acontecendo e vai diminuir a ansiedade natural para que você continue caminhando.

Me lembro de um autista relatando que gritava quando era um bebê e estava sendo levado no carrinho, porque ele não sabia para onde iria e nem se iria voltar, até que memorizou os caminhos e quando o pai um dia resolveu virar em outra rua ele gritou muito, até o pai desconfiar e retornar para o caminho de sempre.

Eu espero estar por perto e continuar dando as orientações para a Milena, percebendo quando ela está com medo e tranquilizando-a, percebendo quando ela está nervosa e traduzindo o que ela está sentindo e sempre que possível explicando a causa, o porquê e quem sabe um dia, ela consiga entender tudo sozinha, e se torne mais independente.

Bom, é isso. Um grande abraço a todos, obrigada pela visita!

Post Anterior Próximo Post

Você também pode gostar

Sem comentários

Deixe seu comentário