Na escola sem as acompanhantes

Esta semana começou para mim com a expectativa de que eu teria problemas na escola, as duas acompanhantes da Milena que se revezam, viajaram. Eu me lembrei da Flávia, minha amiga de Araguari, ano passado quando seu filho estava sem acompanhante a escola não autorizava a entrada dele (depois a escola comunicou que não o aceitaria mais, por ele ser autista!!!). Qual não foi a minha surpresa ao ouvir da professora na terça-feira que Milena ficou muito bem sem acompanhante, que eu poderia contar com ela, pois nos seus oito anos de experiência na educação infantil, ela não tinha aprendido tanto quanto nestes últimos seis meses com a Milena.

Ouvir isso foi como receber uma anestesia num local dolorido, me trouxe uma paz, uma alegria!

Milena é adorável, ela realmente nos ensina muito, pois te lembra de fazer aquilo que você cobra dela, está sempre disposta a ficar perto da gente, é sensível e carinhosa. Mas não são todas as pessoas que tem “olhos de ver” e consegue perceber estas sutilezas. Na maioria das vezes os adultos só vêem o que ela faz de inadequado e se concentram no NÃO (Assim não Milena… Isso não Milena… não pode Milena), pois essa é a forma como educamos, ou pelo menos achamos que estamos educando as crianças. Um erro que só percebi depois do autismo.

Mas voltando aos professores… Milena teve sorte. Mesmo na escola que não gostei, Deus colocou um anjo lá dentro para cuidar da Milena. Tia Valéria, minha amiga, foi – e ainda é – uma luz em nossas vidas. Antes dela, Tia Cynthia e sua ajudante Vilma no Rio, também foram conquistadas pela Mi e agora nossa querida tia Adriana!

A Phd. Temple Grandin, autista de sucesso que nos orienta sobre como é viver – e vencer na vida – com autismo, fala sobre a importância de um bom professor, sabendo que também tivemos a bênção do diagnóstico e intervenção precoce, podemos esperar mais do futuro. Uma vida mais feliz e todo o bom potencial de minha filha sendo devidamente estimulado.

“Tive muita sorte por receber intervenção precoce com professores muito bons, desde os dois anos e meio. Não posso enfatizar o suficiente a importância de bons professores. Um bom professor vale seu peso em ouro. Alguns professores têm aptidão para lidar com crianças autistas. Outros, não. Se você achar um bom professor, segure-o bem firme.”

“Bons professores me ajudaram a atingir o sucesso. Eu estava pronto para superar o autismo porque eu tive bons professores.”

Dra. Temple Grandim (PhD em Ciência Animal, professora universitária e referência mundial em lida com o gado, criadora do método: lida gentil que melhora a qualidade de vida e de abate do gado, trazendo benefícios também à carne resultante, autora de diversos livros sobre autismo e conferencista) http://www.painet.com.br/rocha/temple.htm

Post Anterior Próximo Post

Você também pode gostar

Sem comentários

Deixe seu comentário