Depois da tempestade…

Descrever os momentos difíceis na convivência com minha linda Milena não é fácil.

Sabe quando após uma tempestade com nuvens escuras, raios e trovões a chuva passa e o céu se abre no mais profundo azul, e nesse momento você conta a alguém como estava o tempo há minutos atrás? Nem você mesmo se convence da veracidade de sua descrição.

A crise da Mi

Vendo Milena agora aqui no meu colo, falante e carinhosa, fica difícil descrever a tempestade que passou por aqui. Mas para que vocês tenham uma ideia do que chamamos de montanha-russa, vou lhes contar.

Milena acordou feliz, linda como sempre. Após tomar seu chá, comer sua tapioca correu ao banheiro e ainda pouco à vontade em usar o vaso para fazer o “número dois” foi lá e fez. Aplaudimos e tudo ficou bem. Mas sua barriguinha continuou a doer e ela ficou se recusando a voltar ao banheiro, até que veio até nós anunciando ter jogado o rolo de papel no vaso. Como não foi a primeira vez, nós lhe chamamos a atenção, de forma carinhosa, mas ainda assim ela ficou muito brava e fez cocô na calcinha sem querer. Aí a casa caiu.



Ela não aceitava que eu chegasse perto e se eu tentasse ela me batia, puxava os meus cabelos e eu pacientemente segui tentando até chegar no meu limite. Aí o pai, que estava em casa, sentiu o drama e veio me render e com toda a paciência do mundo sob os gritos estridentes e tapas foi explicando para ela que não podia bater, isso dito com firmeza mas sem raiva. Quanto mais falava, mais ela se alterava.

Foi assim por mais de quarenta minutos. Quando estava limpa veio me procurar e eu já sabia que ela iria dizer: “pupúpa mamãe” (haja coração). Claro, eu a peguei no colo e conversei calmamente com ela… Aí começou tudo de novo. Mas fui desviando sua atenção, brincando e driblando as lembranças do episódio. Consegui e tudo ficou bem.

Regras e limites

Não há nada pior para Milena do que ser repreendida, seja da forma mais carinhosa do mundo. Basta que ela mesma perceba que fez algo errado para se desestruturar. Não podemos por isso deixar de educá-la, de mostrar o que aconteceu, o porque e as consequências, mesmo sabendo que ela fica hermética nestas horas.

Ainda bem que somos pacientes, temos informação para não exigir dela o que ela não pode dar. Dificuldade em aceitar regras e normas é um dos sintomas do Autismo. Mas é preciso ajudá-la com esta dificuldade, apesar do preço que temos que pagar.

Agora está aqui, encantada com os enfeites que comprei para sua festa de aniversário na escola.

Dia 09 de novembro nossa garotinha estará completando 05 anos! 🙂

Beijos a todos.

Post Anterior Próximo Post

Você também pode gostar

1 Comentário

  • Responder Maria Jane 19 de agosto de 2017 at 22:10

    Tenho um neto de 3 anos e nove meses com autismo, gostaria saber mais sobre experiência com autismo, para poder ajudar a ter uma vida melhor.

  • Deixe seu comentário