desenvolvendo a fala

Desenvolvendo a fala: repetição de sílabas

Estou um pouquinho sem inspiração esta semana, mas nada de sério. Só um misto de cansaço, saudade (muita) do maridão, restinho de tendinite e muita preguiça. 🙂

Por isso vou poupar vocês dos meus textos longos e só quero contar que minha linda Milena esta semana chamou o cachorrinho de pelúcia de cócoca… Ela que nem liga pra brinquedos (a não ser que a gente sente com ela e brinque junto, aí dura uns 15 minutos o interesse) e me veio agora com essa. Olha pro cachorro (ou será cadela?) e diz: cócoca. Hoje na hora de ir para a escola pediu a tal da cachorrinha, não é linda demais?!!!

Acho que faz parte do desenvolvimento da fala essa repetição de sílabas, pois a escola (Bambini) ela fala: “bibibi”; O nome dela é: “Nenena”. Têm também “papapo” (sapato), “Bibila” (Camila), “cacaco” (casaco) e por aí vai.

Eu só fico corujíssima achando maravilhosa minha filha desenvolvendo a fala e, principalmente, se comunicando. É uma vitória e tanto.

Desejo muitas felicidades a você e que este fim de semana seja cheio de paz.

Não posso deixar de expressar aqui meu desejo do que Deus nos ilumine e a todos que forem votar neste domingo para que o melhor possível para o Brasil aconteça.

Beijos e se puder deixa um recadinho, vai. É tão bom ler os comentários!

Post Anterior Próximo Post

Você também pode gostar

2 Comentários

  • Responder Vânia Loureiro 19 de outubro de 2016 at 16:22

    Oi Fausta, td bem? Conheci o teu blog hoje e estou apaixonada e claro, me identificando muito com várias experiências da Mi. Gostei muito da tua explicação sobre não dizer que o filho é autista e sim, que ela tem autismo, pois hoje faz um ano exatamente que recebi o diagnóstico do meu filho Lucas, hoje com 3 anos e 4 meses. E nunca consegui dizer que meu filho é autista, e sempre digo que ele tem autismo, pois acredito que dizer que ele é autista o limita e define, e sei que ele pode muito mais, ele tem autismo, assim como tem muita alegria, simplicidade, sensibilidade, não necessariamente nesta ordem. Muito obrigada, vou acompanhar sempre e agora estou nos 3 anos da Mi e vendo quanta coisa em comum essa linda tem com meu Lucas! Bjs e muita luz p vcs!

    • Responder Fausta Cristina 5 de novembro de 2016 at 08:31

      Oi Vânia

      Que sorte tem o Lucas, mãe que busca informação tem meu carinho! Semana passada fui indicada por uma amiga para conversar com uma mãe que recebeu o diagnostico recentemente e meu coração ficou apertado em ver a forma particular dela em reagir a isso… ela me disse que não quer se envolver neste assunto autismo, que quer ver só o filho e não o autismo e suas reações diante das minhas experiências foram de negação.
      Eu senti um profundo respeito por ela e sua corajosa atitude. Como ela tem a orientação de um psicanalista, esta negação do rótulo é compreensível porém eu sei que reconhecer que o filho tem autismo é saber que as dificuldades que ele enfrenta não vem de mim ou do ambiente, vem de disposições físicas, vem de neurônio e de uma biologia que não o instrumentaliza.
      Por isso eu admiro quando alguém consegue entender a diferença entre negar o rótulo e negar a dificuldade, o diagnóstico.
      Obrigada por seu comentário. Não tenho como dizer o quanto é bom saber que significa algo para alguém.
      Beijos carinhosos,
      Cris

    Deixe seu comentário